Tags: Negócio | Latam |

“Temos um negócio bem equilibrado na América Latina e na Europa”


Quais são os principais mercados de distribuição na América Latina?

A MFS está presente na América Latina há mais de 20 anos e temos clientes em toda a região. As nossas maiores áreas de concentração são o Brasil, o Chile, o Uruguai, a Argentina e o México. Esta atividade sofreu alterações significativas nas últimas duas décadas, especialmente nos últimos 5 anos. A nossa forte presença local, o nosso conhecimento dos mercados e a nossa aposta continuada nesta região ajudou-nos a evoluir com os nossos clientes, no sentido de construir um franchise regional excecionalmente robusto.

 

Como estão posicionados no presente e qual a sua estratégia para o futuro nessa região?

Na MFS, pensamos que é importante colocar as necessidades dos nossos clientes mais antigos em primeiro lugar. É importante não exceder as nossas capacidades nem deixar que as nossas estratégias se tornem demasiado abrangentes. Não obstante, estamos, por exemplo, a tentar penetrar no mercado de fundos de pensões na América Latina e continuaremos a analisar oportunidades locais à medida que forem surgindo.

 

Quais os planos para Brasil?

Para a MFS, o Brasil oferece um excelente potencial em termos de longo prazo. Estamos presentes no Brasil desde 1999 e desenvolvemos com este país excelentes relações. No ano passado abrimos um escritório de investimentos em São Paulo e acreditamos estar bem posicionados para tirar partido de oportunidades locais à medida que estas surjam. Recentemente, por exemplo, um dos nossos maiores clientes lançou um Fundo de fundos local para investir globalmente, e escolheu a MFS como um dos seus sub-consultores. À medida que o investidor brasileiro for procurando diversificar-se globalmente, estas oportunidades irão aumentar e o nosso plano consiste em continuar a apoiar os nossos clientes localmente. Além disso, ao acompanhar o crescimento dos mercados de capital brasileiros, os nossos especialistas em investimento que operam localmente estarão em condições de acrescentar valor aos produtos para outros nossos clientes, a nível mundial. 

 

Qual a estratégia da MFS, em termos de produto, para os próximos 12 meses? Têm previsto lançar novos fundos? Quais os fundos da atual gama que querem potenciar?

De uma forma geral, a nossa abordagem ao desenvolvimento de um produto tem início na avaliação da viabilidade a longo prazo de uma determinada classe de ativos. Ao identificar uma oportunidade de acrescentar valor, temos primeiro de garantir que possuímos as capacidades internas em termos de pessoas, experiência, recursos e infraestrutura operacional para desenvolver uma carteira combinada. Só quando tivermos essa garantia e nos sentirmos 100% confortáveis com todo o processo, é que introduziremos o produto no mercado. Neste momento, estamos na fase final de desenvolvimento de dois novos fundos que esperamos introduzir no mercado em 2014, e que constituem um bom complemento à nossa oferta atual de 31 fundos.

 

Como é a distribuição de AuM da empresa nas várias regiões (Latam, Europa, Iberia), tipo de produto e tipo de cliente?

Neste momento temos um negócio bem equilibrado na América Latina e na Europa. Nos nossos MFS Meridian Funds, cerca de metade dos 20 mil milhões de dólares (aproximadamente 16,5 mil milhões de euros) que temos em ativos tem origem na Europa. No que respeita aos tipos de produto, na América Latina os investidores são mais orientados para o rendimento fixo e este facto reflete-se na combinação de ativos que tradicionalmente tem origem nessa região. Embora o cliente ibérico também seja conservador e orientado para a preservação do capital, continuamos a registar uma forte procura das nossas estratégias de investimento de capital na Europa e no resto do mundo.

 

Em que regiões espera crescer mais nos próximos três anos?

A nossa abordagem de investimento de longo prazo é bem recebida na América Latina e Europa Ocidental e observamos oportunidades de crescimento significativas nestas regiões, especialmente no sector da banca privada e gestão discricionária. Vendemos todas as nossas estratégias através de intermediários financeiros. Desta forma, a região ibérica, que adota a abordagem orientada para o retalho e de gestão discricionária, tem potencial para ser uma enorme área de crescimento para a MFS.

Empresas

Outras notícias relacionadas


O Mais Lido

Próximos eventos