Tags: Obrigações | Ações |

Taxa indexada ou fixa: eis a questão?


Existem duas categorias dentro dos fundos de obrigações que são as mais representadas no mercado nacional, segundo a APFIPP: Obrigações de taxa fixa e Obrigações de taxa indexada. Em termos de número de fundos a contagem é semelhante, com treze produtos de investimento em cada uma das tipologias. As diferenças começam no montante total que ambas as categorias apresentam sob gestão. No final de fevereiro, e segundo a APFIPP, a categoria de fundos de obrigações taxa indexada euro apresentava 1.326 milhões de euros em ativos sob gestão enquanto a categoria de fundos de obrigações taxa fixa euro detinha 246 milhões de euros sob gestão.

Menos património, maior rendibilidade

Apesar de ter apenas cerca de um quinto dos ativos sob gestão, em relação aos fundos de obrigações de taxa indexada, os produtos de obrigações com taxa fixa apresentam a maior rendibilidade, em termos médios, de 2014 com ganhos de 2,97%. Depois do volte face em 2013, parece que o caminho voltou ao que era habitual, com os produtos de taxa fixa a liderarem os ganhos. No ranking dos 26 produtos analisados desde do início do ano, o pódio é ocupado apenas por produtos desta categoria. A liderança vai para o ES Obrigações Europa. Este fundo, da ESAFé gerido por Vasco Teles e apresenta uma rendibilidade este ano de 9,39%. De acordo com o comentário mensal, publicado pela gestora, nos últimos três meses foi a “exposição aos periféricos” e à taxa de juro que ajudaram o fundo a conseguir esta rendibilidade. O produto fechou o mês de março com mais de 54 milhões de euros sob gestão.

Com 6,51% aparece, na segunda posição, o produto Montepio Taxa Fixa, da Montepio Gestão de Activos. O fundo tinha no final de fevereiro 6,69 milhões de euros em ativos sob gestão e as suas posições principais a pertencerem a títulos de dívida pública nacional e espanhola, segundo a Morningstar. O terceiro melhor fundo pertence aos quadros  da BPI Gestão de Activos e é o BPI Taxa Fixa, com ganhos de 4,85% neste ano. O fundo fechou o mês de fevereiro com mais de 15 milhões de euros sob gestão e tem nas dez maiores posições títulos de dívida de Portugal, Alemanha, Itália e Espanha.

Os melhores da taxa indexada

Na outra categoria analisada, não existem fundos que apresentem esta ano uma valorização acima de 3%. Acima de 2% estão dois produtos que pertencem à ESAF: ES Renda Mensal e o ES Capitalização. O primeiro tem uma rendibilidade de 2,52% este ano enquanto o segundo apresenta uma valorização de 2,34%, sendo que ambos os fundos são geridos por Tânia Pinheiro. Em ambos os relatórios mensais publicados pela entidade, é a “exposição aos países periféricos” que tem ajudado cada produto a crescer.

Profissionais
Empresas

Outras notícias relacionadas


Próximos eventos