Saídas de gestores, realização de mais-valias ou procura de retorno: os resgates em setembro


Ainda que o mercado nacional tenha acalmado em setembro, este foi um mês de movimentos, desta vez ao nível de grandes rostos da gestão de ativos internacional, com as saídas de Bill Gross, Francisco Paramés, Iván Martín ou Firmino Morgado das entidades onde fizeram história. Depois dos selecionadores de fundos terem dado a sua opinião sobre o assunto, importa também verificar se estes movimentos se refletiram nos fundos estrangeiros mais resgatados nas plataformas nacionais. 

Do ActivoBank, João Graça, adianta precisamente que “a saída de Bill Gross da Pimco fez aumentar o número de resgates de fundos desta sociedade gestora”. Por isso questiona-se: “será caso para dizer, que o nome do gestor tem um maior peso que o inicialmente previsto?!”. Da plataforma o profissional adianta ainda que “os acontecimentos na China levaram também a alguns resgates aproveitando, assim os clientes para alocar os valores a fundos com menor risco”.

Outras razões

Do Banco BiG, Isabel Soares assinala que “os fluxos de resgate no mês de Setembro concentram-se, sobretudo, em fundos com estratégias mais direccionais, com enfoque em sectores (nomeadamente biotecnologia ou saúde) ou áreas geográficas específicas (por exemplo China, Indonésia ou Médio Oriente)”. Em muitas destas situações, diz, “o padrão dos outflows poderá indiciar uma opção pela realização de algumas das mais-valias acumuladas ao longo dos últimos meses de forma a defender as carteiras”

Rui Castro Pacheco, head of asset management do Banco Best, salienta que a tendência no nono mês do ano foi de “resgate de fundos de tesouraria e obrigações mais conservadoras, tendo este mês também verificado alguns resgates em fundos de obrigações high yield”. O responsável lembra que “se no caso dos fundos mais conservadores o motivo continua a ser a pouca atratividade dos baixos retornos encontrados nestes investimentos, no caso das obrigações high yield pensamos que se deve ao facto de o mercado ter sido alvo de alguma correção nas valorizações”, pois “as obrigações high yield estavam um pouco caras e ajustaram para valores mais atrativos e que podem ser uma oportunidade de entrada neste mercado”. 

Profissionais
Empresas

Outras notícias relacionadas


Anterior 1
Anterior 1

O Mais Lido

Próximos eventos