Quais os fundos ‘sobreviventes’ em setembro?


No mês de setembro, tal como no mês de agosto, o vermelho dominou grande parte das rendibilidades dos fundos de investimento em Portugal. O PSI-20, segundo a CMVM, fechou o mês de setembro com uma descida de 4,1%. O período foi dominado por alguns altos e baixos que culminaram com a questão que tem preenchido os últimos dias: a Volkswagen. Tanto para os fundos internacionais disponíveis no mercado português como para os fundos nacionais, o maior fabricante europeu de automóveis provocou impacto nas suas rendibilidades.

Analisando os quase duzentos produtos disponibilizados pelas entidades nacionais, apenas cerca de 10% conseguiu ter rendibilidades positivas no mês passado. Desses, o fundo que teve a maior subida mensal, segundo os dados disponibilizados pela Morningstar através da sua plataforma online, foi o BPI Metais Preciosos. Este produto, gerido pela BPI Gestão de Activos, registou uma rendibilidade de 2,58% e é um fundo fechado que investe num “cabaz diversificado de metais preciosos (Ouro, Prata, Platina e Paládio), através da exposição a fundos de terceiros, ETF ("exchange traded funds")” entre outros instrumentos financeiros". Em termos geográficos, mais de metade da carteira está aplicada no Canadá, sendo o maior investimento em carteira a empresa Sprott Physical Gold Trust.

Com 1,09% de rendibilidade em setembro figura o Caixagest Obrigações Longo Prazo. O fundo está a cargo da Caixagest e no final de agosto tinha mais de 38 milhões de euros em património. O produto investe em obrigações de taxa fixa, tendo assim, nos maiores investimentos, dívida soberana de países como Itália, Alemanha, Espanha e França. Ainda assim, o maior investimento em carteira vai para um futuro do Euro-Buxl.

Restantes abaixo de 1%

Tal como no mês anterior, a maior parte dos fundos com rendibilidades positivsa não conseguiu atingir um retorno de 1%. O produto que ficou mais perto dessa meta foi o BPI Euro Taxa Fixa. No último mês do terceiro trimestre do ano o produto, gerido pela BPI Gestão de Activos, registou uma rendibilidade de 0,8%. No final de agosto geria mais de 82 milhões de euros com a dívida soberana de países como Itália e Alemanha a dominar a carteira.

O Caixagest Private Equity, da Caixagest, foi o quarto fundo do mercado nacional com melhor comportamento no mês passado, já que registou uma valorização de 0,74%. O produto foi, também, o mais rentável nos primeiros oito meses do ano, período em que regista um ganho superior a 15%.

Já o quinto fundo com melhor performance mensal foi o Montepio Taxa Fixa. Gerido pela Montepio Gestão de Activos o produto conseguiu apresentar uma rendibilidade de 0,5%, sendo, também, o único produto cinco estrelas (dados de agosto) entre os que registaram ganhos positivos em setembro.

Os produtos que registaram ganhos em setembro

Empresas

Outras notícias relacionadas


Anterior 1
Anterior 1

Próximos eventos