Os melhores a longo prazo


A última década foi propícia em acontecimentos económicos: Desde da crise do subprime, passando pelo crescimento dos BRIC’s com a China na liderança, terminando pela mais recente crise da dívida soberana, muito aconteceu nos últimos dez anos que influenciaram o sistema económico-financeiro global.

Ainda assim, os melhores fundos de investimento disponíveis em Portugal, nos últimos, apresentam rendibilidades anualizadas que são bastantes sugestivas.

Os maratonistas

O grande maratonista da indústria, segundo os dados da Morningstar em setembro, é o fundo Ações Orientes, da Caixagest. Nos últimos dez anos, este fundo de ações tem uma rendibilidade anual de 10,14%. Tal como o seu nome indica, este produto investe em ações do outro lado do mundo, com preferência para a Austrália (9 das 10 maiores posições são desse país) e tem um património de 20 mil milhões de euros. Entre as empresas preferidas encontra a Commonwealth Bank of Australia, a  BHP Billiton Ltd e ainda a Suncorp Group Ltd .

Em segundo lugar, nos últimos dez anos, aparece o fundo de alocação BPI Brasil, do BPI Gestão de Activos, com um rendibilidade anualizada de 9,31%. Este fundo investe apenas no país do samba, com um relativo equilíbrio entre ações e liquidez. As maiores posições pertencem à divida estatal. Já no mercado acionista, a preferência vai para a BB Seguridade Participações e para a Mills Estruturas e Serviços de Engenharia.

Em terceiro lugar vem o fundo da ESAF, Mercados Emergentes. Este fundo apresenta uma rendibilidade, no período em análise, de 6,67%. Brasil, Rússia, China, México são alguns dos países preferidos por este fundo, em que tem como posição dominante a sul coreana Samsung Electronics ou a russa Gazprom.

Os três melhores fundos a dez anos confirmam a ideia de que na última década, os países emergentes têm dominado as rendibilidades a nível mundial.

Os meio-fundistas

Já a cinco anos, a panóplia é diferentes. Nos três primeiros lugares há um fundo de obrigações, um de ações e um de alocação, o que comprova que a diversificação é importante e faz sentido.

O fundo vencedor pertence à ESAF e é o Obrigações Europa, com uma rendibilidade de 11,57%. Os Futuros Euro-Bund e as dívidas estatais de países como Alemanha, Itália, Finlândia ou Portugal são as escolhas de Vasco Teles para a composição do fundo.

Logo depois vem o fundo Euro Healthcare, do Montepio Gestão de Activos, que apresenta uma rendibilidade anualizada de 10,9%. O Montepio Fundos agarra-se ao carácter mutualista da empresa-mãe e aposta num fundos de ações com empresas ligadas ao sector da saúde, onde a Sanofi, a Roche e a Novartis são os grandes destaques na composição da carteira.

A fechar o TOP 3 a cinco anos, vem o fundo da Invest Gestão de Activos, AR PPR. Este fundo de alocação apresenta uma rendibilidade de 10,59% nos últimos cinco anos. Os serviços financeiros e a saúde são os sectores preferenciais na hora de investir, sendo que a possível maior pertence ao iShares Euro Stoxx 50. Também a dívida pública de Espanha, Irlanda e Portugal fazem parte das dez maiores posições.

 

NOTA: Os dados reportam à Morningstar a 30 de Setembro de 2013 e apenas mostram os dados disponíveis, sendo que nem todos os fundos apresentam os dados completos.

Profissionais
Empresas

Outras notícias relacionadas


Próximos eventos