Os fundos de alocação que mais valorizaram em maio


O mês de maio trouxe ao mercado nacional uma rendibilidade residual, no que toca aos fundos de investimento. Nos fundos de alocação – conhecidos também por multi-ativos – a realidade não foi diferente. De acordo com os dados publicados pela Morningstar, através da sua plataforma, as cerca de seis dezenas de produtos de alocação registaram uma rendibilidade média muito próxima de valores negativos.

Mas houve exceções. Quatro fundos, de quatro casas de investimento diferentes, conseguiram superar a rendibilidade de 1% durante o mês passado. Do quarteto, o fundo que maior desempenho registou foi o NB Plano Dinâmico. Gerido por Susana Vicente da GNB Gestão de Ativos, em maio, o produto obteve ganhos de 1,58%. Consultando a última ficha do produto disponível, com dados de final de abril, verificamos que as obrigações representavam cerca de 60% da carteira do produto, com as soberanas a terem uma presença de 35%. A Europa é o mercado preferido, com mais de metade do fundo a estar investido no Velho Continente. Entre as maiores posições, no final de abril, encontramos títulos de dívida pública italiana e nacional, além de outros fundos da casa e de alguns futuros sobre índices bolsistas. No final de maio os seus ativos sob gestão rondavam os 26 milhões de euros.

Com uma rendibilidade no mês passado de 1,22% surge o Montepio Global. O fundo, cuja responsabilidade é da Montepio Gestão de Activos, no final de abril tinha mais de 6 milhões de euros em património, dividido entre vários tipos de ativos. Há um equilíbrio entre as ações e as obrigações na carteira do fundo, embora as maiores posições em abril sejam ocupadas por títulos de dívida soberana nacional, além de divida corporativa do Millennium BCP. A maior cotada presente na carteira é a gigante norte-americana Apple.

De seguida figura o Popular Global 75. Gerido pela Popular Gestão de Activos, este fundo de fundos gerou uma rendibilidade em maio de 1,14%. Com um volume sob gestão de cerca de 23 milhões de euros, o produto engloba na sua carteira produtos das mais diversas casas de investimento internacionais, como é o caso do JPM Europa Equity da J.P.Morgan Asset Management, o Fidelity America da Fidelity Worldwide Investment ou o DWS Aktien Strategie Deutschland da Deutsche Asset & Wealth Management.

O produto que completa este quarteto é o BBVA Gestão Flexível. Este fundo gerido pela BBVA Asset Management é o “super premiado” pela Morningstar nos últimos três anos, como melhor fundo misto flexível. Jorge Silveira Botelho falou à Funds People no ano passado, depois do produto ter sido galardoado pela segunda vez, onde explicou que existe uma parte da carteira que se move bastante, maioritariamente via derivados, futuros e opções, e que constitui a parte mais tática do portfólio. A restante “porção” do produto prende-se com a parte mais estrutural da carteira, alocada a fundos de terceiros.

No final de maio o fundo tinha, sob gestão, mais de 92 milhões de euros, com as maiores posições a pertencerem a fundos de outras entidades, como é o caso do JPM US Select Equity da J.P.Morgan Asset Management, o BGF Euro Markets da BlackRock ou o Schroder ISF Euro Equity da Schoders.

Os 10 fundos de alocação mais rentáveis em maio

FundoGestoraRendibildiade maio (%)
NB Plano DinâmicoGNB Gestão de Ativos1,58
Montepio GlobalMontepio Gestão de Activos1,22
Popular Global 75Popular Gestão de Activos1,14
BBVA Gestão FlexívelBBVA Asset Management1,00
Caixagest Estratégia ArrojadaCaixagest0,96
Millennium Prestige ValorizaçãoMillennium Gestão de Activos0,83
MNF ValorMNF Gestão de Activos0,76
BBVA Multiactivo FlexívelBBVA Asset Management0,76
Santander Private DinâmicoSantander Asset Management0,75
NB Plano CrescimentoGNB Gestão de Ativos0,69
Fonte: Morningstar no final de maio.
Profissionais
Empresas

Outras notícias relacionadas


O Mais Lido

Próximos eventos