Tags: Obrigações | Ações |

Os conselhos das gestoras internacionais para o investidor enfrentar 2015


2015 está a chegar e este é o momento de preparar as carteiras para enfrentar os desafios do novo ano. Num contexto de mercado que se prevê complicado (ações norte-americanas em máximos, incerteza relativamente ao crescimento económico na Europa, dúvidas sobre o impacto de uma subida das taxas de juro nos mercados de obrigações, previsível aumento da volatilidade...) os investidores precisam de conselhos. O que fazer? Qual o caminho a seguir? A Funds People perguntou aos responsáveis das várias gestoras internacionais qual seria o conselho que dariam ao investidor para encarar 2015. Alguns deles merecem toda a atenção. 

Talvez os conselhos mais acertados sejam aqueles que convidam a ter uma estratégia de investimento bem definida, não colocando a mesma de parte nos períodos de turbulência e agitação dos mercados, ou aqueles que apelam à consultoria profissional com o objetivo de determinar um plano de investimento que se ajuste ao objetivo e horizonte temporal do investimento.

De seguida, apresenta-se por ordem alfabética as respostas das entidades que acederam a este pedido da Funds People, indicando o(s) responsável/responsáveis que respondeu/responderam e o respetivo conselho para 2015.

GestoraResponsável(eis)Conselho para 2015
Aberdeen

Ana Guzmán e Álvaro Antón

Uma vez que tenha tomado uma decisão de investimento de longo prazo, não permita que a volatilidade do mercado, que prevemos que continue no próximo ano, o faça alterar essa decisão num momento pontual.
AlkenIsabel OrtegaNão se deixe contagiar pela volatilidade e reforce as suas convicções nos momentos de queda do mercado.
AmundiDidier TurpinNum cenário de recuperação a várias velocidades, dissociação de políticas monetárias, baixas taxas de juro e incertezas geopolíticas; um fundo misto, flexível e diversificado pode ser a solução para procurar oportunidades nas diferentes classes de ativos, zonas geográficas e sectores, adaptando-se às condições de mudança dos mercados e evitando zonas de turbulência para obter rentabilidades consistentes e duradouras.
AXA IMBeatriz Barros de LisInvista construindo em carteiras diversificadas de acordo com o perfil de risco e um horizonte temporal de longo prazo, com o objetivo de complementar a sua pensão.
BLI-Banque de Luxembourg InvestmentsDavid CórdobaPense realmente no longo prazo, compre para os próximos anos fundos de ações e não de obrigações. Receba aconselhamento na hora de escolher um fundo e, na hora de comprar, verifique as quedas máximas sofridas por esses produtos ao longo da sua história para avaliar até que ponto é capaz de as suportar sem entrar em pânico.
CandriamNabil El Asmar2015 será um ano de alfa. Existem oportunidades interessantes nos distintos tipos de ativos, mas uma eleição correcta será chave. Invista de forma sábia.
Capital GroupMario González e Álvaro Fernández ArrietaDiversifique a sua carteira e, agora mais que nunca, invista em fundos com provas dadas, fáceis de entender, com resultados consistentes e geridos por gestores experientes que tenham vivido cenários muito diferentes de mercado.
Deutsche AWMLuis OjedaTendo em conta o cenário actual, pense na classe de ativos nas que deve estar. Na nossa opinião, ativos de risco: ações, investimentos alternativos e produtos flexíveis de obrigações
Edmond de Rothchild AMBruno AguilarMeça bem o risco e aposte por uma estratégia adequada ao mesmo.
FidelitySebastián VelascoSiga os conselhos do seu consultor financeiro, esteja preparado para  mais volatilidade e, possivelmente, para rentabilidades mais baixos do que as de 2014.
Goldman Sachs AMLucía CatalánInvista numa carteira bem diversificada com fundos geridos por equipas com uma experiência comprovada em gestão de riscos.
Groupama AMIván DíezNão deixe que as emoções ou os sentimentos o façam mudar a sua estratégia de investimento.
HSBC Global AMCyril AubryFavoreça ativos corporativos, tanto nas ações como nas obrigações, face a obrigações soberanas de países desenvolvidos entendidos como refúgio.
IgnisMauro LoránConsidere que apenas os fundos que com uma abordagem de retorno absoluto e que possam ter as suas carteiras com uma duração negativa, num determinado momento, considerado oportuno, vão poder alcançar o objetivo de rentabilidade esperado no próximo ano.
ING IMJaime Rodríguez PatoSe queremos obter um rendimento minimamente decente temos que estar dispostos a assumir mais risco, mais volatilidade, e portanto ser muito mais ativos.
J.P.Morgan AMJavier DoradoRecorra a um profissional que o ajude a planificar convenientemente as suas poupanças e os seus investimentos e não se deixe levar pelas incertezas do curto prazo. Tome decisões pensando sempre no longo prazo.
La Française AMAugusto MartínEsteja preparado para mais volatilidade nos ativos de risco, seja flexível e mantenha alguma liquidez no fecho de 2014, mas não se esqueça que as tendências atuais especificamente nas matérias-primas e petróleo, são consistentes com as taxas de crescimento positivas para 2015, e que a tendência de queda atual nas ações e nas obrigações de beta elevado vão proporcionar boas oportunidades de médio prazo.... para investidores selectivos.
LazardDomingo TorresAlém da volatilidade imediata, a forte baixa do petróleo é um elemento muito positivo para a economia mundial e para o mercado accionista.
Legg Mason Global AMJavier MalloTenha um plano, ajuste-se ao mesmo e, se puder, procure assessoria/consultoria financeira profissional.
M&G InvestmentsIgnacio Rodríguez AñinoSe procura obter rendimentos semelhantes aos oferecidos pelas obrigações no pasado, dê um passo em frente e assuma um pouco mais de risco nas carteiras, investindo em ações, de forma selectiva, diversificando e apostando pela gestão ativa. 
Natixis Global AMSophie del CampoNão se deixe levar nem pelas emoções nem pelos movimentos de curto prazo do mercado. Estabeleça com o seu consultor financeiro um plano de investimento que se baseie nos seus objectivos pessoais e verifique o que necessita de fazer para os alcançar, tendo em conta o nível de risco que pode assumir ao longo do tempo. A partir de aí, construa uma carteira de longo prazo focada no risco no processo de alocação de ativos, no aumento da diversificação e na minimização do impacto da volatilidade.
NordeaLaura DonzellaPara enfrentar a incerteza e a volatilidade do próximo ano, conte com produtos ‘todo terreno’ que funcionem nas distintas situações de mercado e proporcionem uma base sólida, estável e de longo prazo, controlando o risco em qualquer momento.
OysterLuis BeltramiApesar de em 2015 as ações serem a classe de ativos que deverá oferecer rentabilidades mais elevadas, antes de tudo recomendo ao investidor uma boa diversificação uma vez que nunca sabemos quais os riscos que podem surgir nos mercados.
PetercamAmparo Ruiz CampoDado que são expectáveis mercados mais voláteis, em 2015 é mais importante que nunca um bom stock e bond picking e recomendável uma boa diversificação, já que há oportunidades em todos os ativos.
Pictet AMGonzalo RengifoProcure estratégias dinâmicas para a parte conservadora da sua carteira, para a qual poderá ser conveniente pensar em retorno absoluta com baixa volatilidade, o que pode ser uma das surpresas positivas.
Pioneer InvestmentsTeresa Molins e Isabel de LiniersEsteja preparado para um cenário mais volátil e de rentabilidades mais baixas, pelo que a nossa recomendação é de investir em produtos diversificados e flexíveis.
SchrodersCarla BergarecheDurante 2015 enfrentaremos um cenário de baixas rentabilidades, uma maior volatilidade e risco mais elevado: selecione aqueles produtos que, adaptando-se ao seu perfil de risco, lhe permitam construir carteiras mais estáveis e com um risco controlado; consideramos que será chave as estratégias flexíveis e os fundos multiactivos que podem adaptar-se às distintas condições de mercado.
Standard LifeDavid O'BrienPonha a sua coragem em estratégias de investimento que tenham sido forjados especificamente para investidores com tolerância baixa ao risco, mas com apetite para rentabilidade, e que possam mostrar uma trajetória consistente e diversificação duradoura.
ThreadneedleRubén García Páez2015 será o ano das ações europeias.
UBS Global AMJuan InfantePensar que, uma vez limitados os riscos de cauda, os mercados de ações europeus poderão voltar a centrar-se nos fundamentais e no crescimento económico.
VontobelJosé Luis EzcurraInvista em empresas de qualidade. A volatilidade vai continuar presente nos mercados, pelo que uma vez mais será imprescindível apostar em empresas que apresentem sólidos balanços e fluxos de caixas, com crescimento dos lucros a longo prazo e que tenham boa capacidade de visão sobre os mesmos.

 

Profissionais
Empresas

Outras notícias relacionadas


O Mais Lido

Próximos eventos