Tags: Obrigações | Ações | EUA |

Os 12 argumentos de Ángel Agudo a favor do mercado acionista norte-americano


Investir ou não no mercado de ações norte-americano, depois do S&P500 atingir máximos? Esta é uma questão que muitos investidores fazem neste momento. Ángel Agudo, gestor do FF America, dá o seu ponto de vista. Para o gestor da Fidelity Worldwide Investment, o mercado norte-americano encontra atualmente apoio em vários fatores estruturais positivos e na prosperidade económica. “No plano estrutural, se o país beneficia de um excelente enquadramento empresarial, concretamente num plano educativo, jurídico e financeiro que estimula enormemente a inovação e que converte os EUA no líder mundial em sector de grande valor acrescentado”, assegura.

Além disso, a diferença da maioria das economias desenvolvidas, como a Europa e especialmente o Japão, o gestor aprecia o facto dos EUA terem uma balança demográfica relativamente boa, o que sustenta as perspetivas económicas a longo prazo e o facto do país estar atualmente a caminhar para uma maior independência energética devido à 'revolução' do gás de xisto. Recorda ainda que, a juntar aos fatores estruturais positivos, a economia está a assistir a uma forte recuperação cíclica que pode ser constatada tanto no crescimento continuado no sector da habitação como nos impressionantes números de criação de emprego, que deixaram a taxa de desemprego abaixo dos níveis anteriores à crise.

A queda dos preços do petróleo dará um enorme impulso ao consumo, devido ao preço mais barato da gasolina, que esperamos que compense o efeito negativo decorrente da queda do petróleo para os investimentos no sector energético”, explica. Em relação ao impacto do valorização do dólar, embora seja verdade que a sua subida trás beneficios aos exportadores, “nem todas as empresas norte-americanas estão orientadas para as exportações e para aqueles investidores que não têm o dólar como moeda de referência e não façam cobertura desta divisa também aumenta as rendibilidades na sua moeda local. Isto pode ajudar a explicar porque é que o dólar mostra uma correlação positiva com o PER norte-americano desde 1990”, diz o gestor espanhol. Em suma, os argumentos dos gestor a favor das ações americanas são sustentadas por 12 factores, que se mostram em forma de puzzle.

Profissionais
Empresas

Outras notícias relacionadas


Próximos eventos