“O sucesso de um fundo obtém-se quase da mesma maneira que o êxito de uma equipa de futebol”


É um dos fundos estrela da UBS Global Asset Management, e para a Morningstar o produto tem mesmo uma classificação de cinco estrelas. O fundo gerido principalmente por Max Anderl (em entrevista na próxima revista Funds People Portugal, distribuída brevemente), e assistido por Jeremy Leung (na foto), o produto de ações tem um dos melhores rácios alpha a três anos  da sua categoria (6,83), ao qual se junta um sharpe de 1,1 no mesmo período.

Jeremy Leung deputy portfolio manager, esteve recentemente em Lisboa para um pequeno almoço/conferência organizado pela Funds People, e foi nessa ocasião que explicou a estratégia do produto. E porque em tempos de futebol a metáfora do desporto rei é a mais apropriada, o profissional começou por esclarecer que o European Opportunity Unconstrained “é uma espécie de jogador que joga como médio em campo, porque tanto participa no ataque, como ajuda na defesa”.

Definir cenários

Com uma equipa de investimento pequena, que apresenta um grande foco na seleção das ações, Jeremy Leung explica que um dos métodos que traz êxito ao produto é a criação de cenários, analisando o potencial de subida de uma empresa face ao seu risco de queda. “Quando escolhemos uma ação, analisamos sempre o pior cenário, mas também o melhor”, disse o especialista. Prosseguindo, Leung especificou que “a estratégia passa por alocar a maior parte da carteira às ações que oferecem um potencial de subida elevado e um risco de queda muito limitado. São nestas empresas que geramos alpha”.

Bom ao ataque e à defesa

Voltando às “quatro linhas”, o deputy portfolio manager do produto da UBS Global AM entende que compor uma carteira se assemelha ao trabalho feito por um selecionador de uma equipa de futebol. “Incluímos jogadores como o Xavi Alonso, Iniesta ou Gerrard, porque são futebolistas que têm a liberdade de se movimentar para buscar as melhores oportunidades tanto em ataque como defesa”.  Por isso, diz, a forma como a carteira do fundo é escolhida é semelhante à forma como os jogadores são escolhidos pelos selecionadores. Nós gostamos de ver que múltiplas fontes de informação concordam que é um bom investimento (research fundamental, quantitativa e qualitativa), para que possamos evitar prejuízos para os nossos clientes com as nossas escolhas de ações.

No que diz respeito à abordagem de investimento utilizada, Jeremy Leung entende que embora a sua equipa seja mais adepta de um estilo valor, com um processo de investimento que se apoia maioritariamente nesta orientação, o profissional realça que “uma abordagem flexível é talvez a melhor maneira de encarar a gestão do produto”.

No que diz respeito às maiores posições que fazem parte da carteira do fundo da UBS, o profissional apresentou a sua preferência pelo sector da saúde, destacando a importância que a empresa Novartis ganhou nos últimos tempos, tornando-se atualmente na maior posição do portfólio. No entanto, salienta-se que não existem constrangimentos nem ao nível dos sectores, nem de países onde o investimento é feito. “Podemos chegar a ter uma exposição máxima de 10% a uma entidade, mas raramente nos aproximamos desse limite”, indicou.

Empresas

Outras notícias relacionadas


O Mais Lido

Próximos eventos