Tags: Negócio | ETF | Emergentes | EUA | Ações |

“O segundo trimestre foi o melhor dos últimos cinco anos para a indústria de ETF”


Junho foi o mês dos fluxos de entrada nos ETP a nível global se fortalecerem.  Os produtos cotados, em todo o mundo, segundo o ETP Landscape da BlackRock, captaram 36.300 milhões de dólares no sexto mês do ano. Até agora no ano de 2014, o volume de investimento de ETP a nível global já soma os 123.900 milhões de dólares, o que acresce mais 25% em comparação com o primeiro semestre do ano, depois de no segundo trimestre se terem registado 90.600 milhões de dólares, um nível superior a qualquer trimestre dos últimos cinco anos.

O relatório dado a conhecer pela gestora norte-americana, sublinha que durante o ano, os principais contribuidores para os valores referidos são as obrigações, as ações europeias e japonesas, bem como as ações internacionais e o segmento bolsista internacional, com exceção do mercado norte-americano. Depois de um abrandamento no início do ano, os fluxos nas ações norte-americanas e  emergentes melhoraram.

Os 36.300 milhões de euros de fluxos de investimento registados em junho foram consequência do melhor mês do ano em ações, que alcançou os 36,8 milhões de dólares, impulsionado pelos fundos de ações norte-americanas, europeias e de mercados emergentes.

Já o investimento em ETP de ações norte-americanas elevou-se até aos 21.000 milhões de euros, conduzido por fundos sectoriais e fundos cujo universo de investimento são empresas de grande capitalização. As ações europeias, por outro lado, adicionaram 4.000 milhões de euros depois da flexibilização de política monetária levada a cabo pelo BCE.

Dos fundos de mercados emergentes existiu uma contribuição de 7.700 milhões de dólares em junho, voltando assim a estar em terreno positivo no acumulado do ano, ajudados pelo dinamismo vivido pelos fundos emergentes, pelas perspetivas mais estáveis para economia chinesa, e pelo atual fortalecimento das ações taiwanesas.

Finalmente, os fluxos de investimento de produtos cotados de obrigações passaram por um abrandamento (400 milhões de dólares), porque os investidores anteciparam uma subida das taxas, apesar de a Fed ter mantido uma política monetária acomodatícia.

Segundo Ursula Marchioni, responsável de análise de ETP para a iShares na região EMEA, “o segundo trimestre foi o melhor que presenciámos nos últimos cinco anos. Para além disso, junho foi o melhor mês desde o verão de 2013, já que os produtos cotados captaram mais de 36.000 milhões de dólares em todo o mundo. Os investidores acorreram em massa aos produtos cotados de ações norte-americanas, que registaram um volume de 21.000  milhões de dólares. Por seu lado, as ações europeias mantiveram o seu ritmo e captaram um investimento de 4.000 milhões de dólares. Entre os fundos por país, importa destacar aqueles que se centram nos mercados italiano e espanhol, que conjuntamente atraíram 700 milhões de dólares, o que impulsionou os fluxos líquidos até aos 4.300 milhões”. 

Empresas

Outras notícias relacionadas


O Mais Lido

Próximos eventos