O que “dizem” as agências de rating sobre a banca nacional?


Nos últimos dias têm sido algumas, as agências de rating a atribuir novas notações aos bancos europeus e, claro, na lista não ficaram de fora as instituições bancárias nacionais.  Por detrás destas revisões – e dos cortes nos ratings – está o facto destas agências estarem a refletir e a considerar uma nova metodologia de avaliação da qualidade creditícia dos bancos. 

No dia 19 de maio, terça-feira, a Fitch Ratings dava a conhecer a sua revisão a 45 bancos europeus, sendo que em Portugal foram quatro as instituições que assistiram a uma descida de rating por parte da conhecida empresa de notação financeira.

Revisão em baixa para quatro bancos nacionais

No caso do BPI, o rating de longo prazo foi revisto em baixa de “BB+” para “BB”. Segundo o comunicado que o banco divulgou à CMVM, este downgrade aconteceu “devido à remoção do pressuposto de suporte pelo Estado, no âmbito da implementação da Diretiva da Recuperação e Resolução Bancária (BRRD) e do Mecanismo Único de Resolução (SRM)”. Por outro lado, o outlook do rating do Banco BPI, situou-se em rating watch positivo, face à menção anterior de “evoluindo”.

Outra das melhorias numa perspetiva futura feita pela agência de rating, coube ao Montepio. A Fitch melhorou o outlook da entidade que passou de ‘Negativo’ para ‘Estável’. Quanto à notação Issuer Default Rating (IDR) de longo prazo, a  revisão foi em baixa de “BB” para “B+”, que, tal como no BPI, se justifica, segundo a instituição, pela “decorrente remoção do suporte governamental”.  No caso do Millennium BCP o rating que mede a solidez do banco passou de “BB+” para “BB-”, tendo sido atribuído ao banco um outlook de “estável”. O Banif foi outra das instituições cujo rating IDR também sofreu um downgrade, no caso para “B-" a partir de “BB”, ao passo que é reconhecida com um Outlook de “estável”, pela Fitch.

Importa ainda salientar que mais recentemente (dia 21 de maio) a Fitch emitiu também notações financeiras sobre as obrigações hipotecárias dos bancos nacionais. No caso do Millennium BCP as obrigações hipotecárias mantiveram um rating de “BBB-”, enquanto no caso do BPI a notação atribuída pela agência de rating  a este tipo de obrigações sofreu uma redução de para “BBB+” para “BBB” . Cenário semelhante verificou-se no Montepio. As covered bonds do Banco passaram de um rating de  “BBB” para “BB+”.

Legislação europeia dá mote para revisões em baixa da DBRS

Dia 20 de maio, quarta-feira, foi a vez da agência canadiana DBRS dar a conhecer quais as suas considerações sobre a banca europeia. A agência de notação financeira Dominion Bond Rating Service colocou o rating da dívida de longo prazo e dos depósitos de 38 grupos bancários europeus sob revisão, por causa das recentes alterações regulatórias na União Europeia, que não garantem a  probabilidade de um apoio estatal em caso de dificuldades.

Da lista de 38 bancos atrás mencionados estão dois portugueses. A DBRS colocou os ratings do BCP e o Montepio sob vigilância negativa. A empresa de notação financeira atribui atualmente um rating de “BBB” (baixo) ao Millennium BCP, e também ao Montepio.

Rating da dívida pública portuguesa mantém-se inalterado

A DBRS pronunciou-se ainda sobre a dívida pública portuguesa, continuando atribuir à dívida pública de longo prazo e de curto prazo os ratings de BBB (baixo)  e R-2 (intermédio), respetivamente. Segundo o comunicado que a agência de notação financeira divulga “a confirmação do rating reflecte o entendimento da DBRS de que Portugal fez progressos significativos na redução dos seus desequilíbrios orçamentais e externos”.

Outras notícias relacionadas


Próximos eventos