Tags: Alternativos |

O panorama dos fundos reabilitação


Os fundos reabilitação são, segundo a Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios – APFIPP – produtos “constituídos entre 1 de janeiro de 2008 e 31 de dezembro de 2013, e em que pelos menos 75% dos seus activos são bens imóveis sujeitos a acções de reabilitação realizadas nas áreas de reabilitação urbana”.

Nestas condições, no final de maio, existiam seis fundos de investimento imobiliário que eram geridos por cinco entidades nacionais. Em termos totais estes fundos reuniam mais de 61 milhões de euros em ativos sob gestão no final de maio, tendo havido um decréscimo próximo dos 5% desde do final do ano passado. Ao nível da quota de mercado, a fatia destes produtos preenche cerca de 0,5% de todo o mercado de fundos imobiliários em Portugal.

Entre a meia dúzia de produtos que compõem esta categoria, o maior é o Príncipe Real F. – Reabilitação Urbana que está sob gestão da MNF Gestão de Activos. No final de maio, e de acordo com os dados da Associação este produto geria mais de 24,25 milhões de euros com mais de dois terços da carteira a serem ocupados por “imóveis arrendados”.

Com mais de 10 milhões de euros em ativos existe ainda um outro fundo. Trata-se do Corpus Christi que é gerido pela Gesfimo, e que no final de maio tinha à sua responsabilidade mais de 12,6 milhões de euros. A carteira é praticamente toda composta por “projetos de construção”.

Já o terceiro maior fundo é o Belas Artes Reabilitação Urbana que é gerido pela Norfin. No final do quinto mês do ano o fundo tinha na sua posse praticamente 9 milhões de euros, e tal como o fundo da Gesfimo, quase toda a carteira vai para a rubrica dos “projetos em construção”.

Três fundos mais pequenos

Os restantes três fundos de reabilitação 'andam' entre os 4 e os 6 milhões de euros de ativos sob gestão. Com 5,84 milhões de euros surge o Banif Reabilitação Urbana que é gerido pela Banif Gestão de Activos. Os dois restantes fundos são ambos geridos pela mesma entidade gestora: a Fund Box. Com 5,03 milhões de euros em ativos sob gestão figura o Coimbra Viva I e com 4,47 milhões de euros surge o First Oporto Urban Regeneration Fund.

Os fundos reabilitação - ativos sob gestão

Fonte: APFIPP no final de maio

 

Empresas

Outras notícias relacionadas


Próximos eventos