Tags: Negócio |

Millennium BCP planeia expandir arquitectura aberta à rede de retalho


Desde 2003, que o Millennium BCP dispõe de uma oferta de fundos estrangeiros de diferentes casas internacionais para os seus clientes  do segmento de banca privada e nos serviços de gestão discricionária de carteiras. A seleção desses produtos é feita, precisamente, por uma equipa de seis elementos liderados por Inês Oliveira.

Atualmente, nos canais eletrónicos da entidade são disponibilizados, embora sem grande projeção, um número mais reduzido de fundos estrangeiros igualmente seleccionados pela equipa de Nuno Botelho. Além disso, e como parte do grupo BCP, existe o ActivoBank que funciona como plataforma de aquisição de fundos e onde o papel da WMU é mais no sentido de colaborar na elaboração das carteiras modelo que suportam as decisões de investimento dos clientes.

Para onde vamos?

De acordo com o plano estratégico do Millennium BCP para 2014, Nuno Botelho disse à Funds People que a ideia é “expandir à rede de retalho o conceito de arquitectura aberta, que tem tido algum sucesso no private banking num formato a que chama arquitetura guiada.

O responsável da WMU sublinha a importância da formação dos profissionais da rede dada a necessidade de conhecer todos os novos produtos que vão enriquecer a oferta do banco e passarão a estar disponíveis para todos os clientes Millennium BCP. A formação tem tido um papel fundamental na banca privada onde, numa base semestral, os colaboradores da WMU, em conjunto com os gestores de ativos selecionados, levam à rede um programa de formação extenso sobre mercados e produtos.

Atualmente o Millennium BCP trabalha com cerca de quarenta gestoras internacionais e acompanha e disponibiliza cerca de oitenta fundos de investimento mobiliários, de ações, de obrigações e alternativos.

Quanto ao tipo de produto que será disponibilizado, “falamos essencialmente de fundos harmonizados (UCITS). A oferta não terá grandes especificidades em relação à atual, uma vez que um bom fundo é sempre um bom fundo, independentemente do segmento de mercado em que é disponibilizado. O nosso objetivo será sempre o de levar a todos os clientes os melhores gestores através dos veículos de investimento mais eficientes”, explica Nuno Botelho.

A  implementação do projeto, em termos de timings, decorrerá ao longo de 2014, tendo os trabalhos sido já iniciados com algumas unidades do banco, nomeadamente com a Direção de Marketing e com a  Millennium Gestão de Activos.

Empresas

Outras notícias relacionadas


O Mais Lido

Próximos eventos