Mais de um ano de Modi à frente da Índia: o que correu bem... e não assim tão bem


A 16 de maio do ano passado Narendra Modi chegou ao governo da Índia. Apesar da euforia inicial dos mercados, as reações parecem estar a arrefecer. Segundo o que relata a J.P. Morgan Asset Management, “depois de um forte 2014, o mercado de ações indiano cresceu apenas de forma moderada este ano, com o MSCI India a ganhar 4,5% em dólares (USD) e 5,6% em moeda local”.

Num balanço recente feito por algumas gestoras internacionais sobre a passagem de um ano sobre a eleição de Narendra Modi, as entidades mostravam-se na altura otimistas acerca do progresso da economia indiana. “Para os investidores de ações o assunto chave para o curto prazo continuará a ser quanto tempo demorará a que os lucros das empresas e as margens comecem a responder às melhorias da economia”, assinala agora a J.P. Morgan AM no seu Market Bulletin, onde escrevem que “os lucros desapontaram e a economia ainda tem que decolar”. De um ponto de vista resumido, a entidade acredita que “Modi está a ter uma abordagem de longo prazo para lidar com os problemas estruturais da Índia”.

Sistematizando, a gestora elege alguns dos tópicos que funcionaram desde que Modi entrou em funções e, por outro lado, outras questões que podem ser melhoradas.

O que funcionou?

-       Reforma relativa ao investimento estrangeiro direto

Uma das medida assinaladas pela entidade prende-se com as medidas regulatórias mais flexíveis que permitiram que “mais capital estrangeiro entrasse nas áreas de seguros, ferrovias e sectores defensivos”. Segundo a entidade as medidas criaram oportunidades de melhoria das estruturas do país, “e a rotação nos fluxos cresceu 48,3% em maio, comparativamente com há um ano atrás”.

-       Reforma do sector energético

O sector conseguiu desenvolver-se como resultado da maior eficiência energética e dos mecanismos de preços criados, dizem da J.P. Morgan AM. “O colapso nos preços do petróleo deram ao governo a oportunidade de desregular os preços do combustível, o que os tem libertado dos subsídios caros”, indicam.

-       Reformas mineiras

Depois dos escândalos que afetaram o anterior governo, em que se revelou que determinadas entidades beneficiavam de um sistema de alocação do Executivo, “não existiram mais companhias do sector público a ter o direito exclusivo de exploração de minas de carvão para venda”, recordam.

-       Reformas de gestão de projetos

Com o intuito de evitar a reputação de que a Índia é um local difícil para se realizar negócio, o “governo desenvolveu um portal online de negócios que consolida vários serviços governamentais e reduz o tempo necessário de legalização de um novo negócio”.

-       Renovação dos programas de estado social e bem estar

Por último, da gestora salientam que “o governo tem racionalizado os subsídios e adoptado medidas de estabilização de preços para ajudar a controlar a inflação dos preços dos alimentos no caso de monções”.

O que pode melhorar?

Um dos aspectos em que a J.P Morgan AM entende que a Índia ainda está numa fase muito incipiente, tem a ver com a campanha “Make in India”, ou seja, com o incremento de manufactura dentro de portas. “Até agora assistimos apenas a mudanças marginais na atividade de manufactura”, dizem, acrescentando que “o crescimento desta atividade ficou preso a níveis de um dígito”.

Em termos de regulação a gestora internacional aponta outro dos pontos que acabou por desiludir durante o ano decorrido, e que demonstra as “dificuldades legislativas que o governo ainda enfrenta”. A GTS (goods and services tax, nas siglas em inglês) que facilitaria a simplificação de códigos fiscais entre os vários estados do país, e a “Land acquisition bills”, que tornaria mais fácil o uso de determinados terrenos para projetos, acabaram por não ser aprovadas.

Outro dos assuntos que melindra a “reputação” do país relaciona-se com os números do PIB, apelidados de “confusos”. “Os novos dados mostram um crescimento superior ao da China, embora outras métricas indiquem um abrandamento da economia”, escrevem da entidade.

Empresas

Outras notícias relacionadas


Próximos eventos