Julho arrefeceu o mercado de fundos de investimento imobiliários


Definitivamente, os últimos meses são para esquecer. Diminuição é a palavra de ordem. Segundo o relatório mensal da APFIPP, a 31 de julho de 2014, o valor líquido global dos fundos de investimento imobiliário (FII) ascendia a 12.060,3 milhões de euros, o que correspondia um decréscimo de 0,2% em relação ao mês anterior.

Analisando o panorama desde o início do ano, verifica-se uma diminuição de 1,9%. As boas notícias apenas chegam quando se recua um pouco mais no tempo e se chega a julho de 2013. Desde essa data que há um aumento dos montantes sob gestão na ordem dos 4,2%.

Olhando para o valor do património imobiliário detido pelos FII, este totaliza 13.953,0 milhões de euros, no final do sétimo mês do ano, "representando 115,7% do total das carteiras, o que engloba o recurso ao financiamento por parte destes fundos", diz o relatório da Associação. O valor do património imobiliário registou um decréscimo mensal de 0,5%. Já desde o início do ano, diminuiu 2,6%, enquanto que desde Julho de 2013, decresceu 3,1%.

Quanto ao número de fundos, não houve grandes oscilações. Se em julho e dezembro 2013 existiam 254, desde o início do ano que este número se tem fixado nos 250.

Interfundos mantém-se na liderança

A sociedade gestora com maior volume de ativos sob gestão é a Interfundos, com 1.535,7 milhões de euros que se traduz numa quota de 12,7%. Esta é também a entidade que apresenta uma oferta mais alargada com 42 fundos. Logo em seguida, vem a Fundger, com 1.403,3 milhões de euros e uma quota de 11,6%, mas que em quantidade de fundos já apresenta um número mais moderado - 28 - e que se assemelha ao da ESAF. No terceiro lugar do ranking das maiores gestoras de fundos imobiliários vem a Montepio Valor, com apenas 8 fundos, e um património de 1.105,4 milhões de euros, o que corresponde a uma quota de mercado de 9,2%.

Em termos de crescimento, a Imopolis e a Selecta lideram, em termos percentuais e absolutos, respetivamente. No sétimo mês do ano, a primeira registou uma progressão de 7,7%, ou seja, mais 2,6 milhões de euros, enquanto que a segunda arrecadou mais 23,1 milhões de euros, o que equivale a uma percentagem 5,8%.

Empresas

Outras notícias relacionadas


O Mais Lido

Próximos eventos