Tags: Negócio | ETF | Europa |

iShares agita a indústria de ETF na Europa com o registo da sua gama ‘Core series’


É um passo à frente da iShares na Europa. A plataforma de ETF da BlackRock lançou a ‘iShares Core Series’, que é composta por 14 ETFs desenhados para investidores de longo prazo que queiram ganhar exposição a alguns dos principais índices do mundo com uma estrutura de custos mais baixa. “A maneira de investir dos clientes está a evoluir e começamos a ver muito mais posições estratégicas em ETF que tácticas. Em termos globais, há quatro anos 20% dos investidores institucionais utilizavam os ETF como parte central da sua carteira. Hoje esta soma ascende aos 65%. A tendência é muito clara. Na BlackRock queremos dar resposta a esta nova tendência com uma nova gama de produtos que pode ser usada a médio e longo prazo”, anunciou numa entrevista à Funds People, Iván Pascual, diretor de vendas da iShares para Iberia.

Os ETF ‘iShares Core Series’ consistem numa série de fundos cotados tanto de ações como de obrigações, cujo enfoque é ser o núcleo da carteira a longo prazo.  “Os fundos cotados estão a entrar numa nova fase na Europa. O sector encontra-se num ponto de viragem em direção ao uso de um mercado massivo. O que se iniciou como sendo uma ferramenta pensada para institucionais, acabou por ser adoptada por uma ampla gama de investidores. Estamos a assistir a uma mudança no seu uso, à medida que os investimentos passivos ocupam um espaço vazio no núcleo das carteiras dos clientes. Os investidores e consultores recorrem cada vez mais  aos ETF para estruturar carteiras diversificadas e eficientes, num plano de custos que seja pensado a longo prazo.

Qual é a gama da “iShares Core Series’ ?

A ‘iShares Core Series’ conta com nove ETF de ações, entre os quais se inclui um fundo lançado recentemente – o iShares Core MSCI Emerging Markets IMI UCITS ETF – e cinco fundos cotados de obrigações. A maioria dos fundos já se encontram em funcionamento e alguns deles racionalizaram a sua estrutura de custos. Tratam-se de fundos de réplica física, que investem diretamente em ações e obrigações subjacentes. A versão europeia da iShares Core Series acontece depois do lançamento de uma série ‘core’ similar nos EUA em 2012, e outra no Canadá, em abril deste ano. É uma gama de produtos que – segundo explicam da entidade – procura ter um complemento com o resto dos ETF da iShares, que abordam objectivos de investimento mais específicos: desde a geração de rendimentos com vista à reforma, até ao aproveitamento das oportunidades que o mercado oferece a curto prazo.

Segundo Iván Pascual, a ‘iShares Core Series’ é um claro exemplo de como se tem desenvolvido a indústria de fundos cotados na Europa. O lançamento precede a importante evolução registada pelo mercado europeu de fundos cotados ao longo dos últimos anos. “A indústria de ETF na Europa triplicou os seus ativos sob gestão em seis anos, ao passar de 150.000 milhões de dólares para aproximadamente 450.000 milhões no final de abril de 2014. Valores provenientes não só de novos produtos, como também de novas maneiras de implementar os ETF nas carteiras”, o que – na opinião de Pascual – faz com que estes produtos tenham um futuro promissor.

Na sua opinião, “o crescimento do sector de novos fundos cotados será impulsionado por investidores particulares e novos investidores institucionais, como por exemplo as seguradoras, tesourarias próprias...

Os fundos de gestão passiva começam a ser um ponto de partida fundamental de numerosos debates sobre a estruturação de carteiras. O investidor de médio prazo valoriza cada vez mais a diversificação do índice que compra e o custo que supõe, e cada vez menos a liquidez e o spread com o qual o ETF negoceia. De acordo com esta evolução na maneira de investir, a BlackRock responde com este novo produto, que consideramos que brinda muitos investidores com o pilar básico de construção da carteira, no que diz respeito aos custos”.

Para construir a gama ‘iShares Core Series’, na empresa selecionaram os principais mercados nos quais acreditam que os investidores querem ganhar exposição. Alguns fundos cotados – como o iShares Core MSCI Emerging Markets IMI UCITS ETF – são produtos que replicam índices mais diversificados (o subjacente deste índice de mercados emergentes por exemplo, é mais diversificado tanto a nível geográfico como por tamanho das empresas, dando maior peso às small caps do que ao MSCI Emerging Markets Index). Outros são produtos que já existiam, mas que a empresa decidiu incorporar à gama com um rácio de TER mais baixo. Em seguida apresenta-se toda a oferta de produto incluída na ‘iShares Core Series’ na Europa, indicando o nome do produto, o rácio de gastos totais (TER) anterior e o rácio de gastos totais atual.

Nome do fundo

Rácio de gastos totais atuais (TER) em pontos básicos

Rácio de gastos totais anteriores (TER) em pontos básicos

Oferta para toda a Europa

iShares Core FTSE 100 UCITS ETF

10

10

iShares Core EURO STOXX 50 UCITS ETF

10

20

iShares Core S&P 500 UCITS ETF

7

15

iShares Core MSCI Japan IMI UCITS ETF

20

48

iShares Core MSCI World UCITS ETF

20

48

iShares Core MSCI Emerging Markets IMI UCITS ETF

25

 

Oferta específica para Espanha, Alemanha Países Baixos e Escandinávia

iShares Core Euro Government Bond UCITS ETF

20

 

iShares Core Euro Corporate Bond UCITS ETF

20

 

Oferta específica para o Reino Unido

iShares Core Euro Government Bond UCITS ETF

20

 

iShares Core Euro Corporate Bond UCITS ETF

20

 

Oferta específica para a Alemanha

iShares Core DAX UCITS ETF (DE)

16

 

Oferta específica para a Suíça

iShares Core SPI (CH)

10

(Comissão de Gestão anual)

iShares Core CHF Corporate Bond (CH)

15

(Comissão de Gestão anual)

 

Profissionais
Empresas

Outras notícias relacionadas


Próximos eventos