Fundos sectoriais evidenciam-se nos últimos três anos


O último triénio foi marcado por uma enorme volatilidade nos mercados financeiros, tendo esta palavra entrado no vocabulário comum de muitos investidores. Isto deveu-se sobretudo devido aos programas de ajustamento que chegaram ao fim nalguns países europeus, apesar da situação da Grécia 'teimar' em não se resolver e prolongar a incerteza nos mercados. 

Nesse período de tempo são os fundos que investem num determinado sector na Europa que apresentam as melhores performances, com a Montepio Gestão de Activos a colocar três dos seus fundos nos quatro mais rentáveis. O fundo mais rentável no triénio anterior a 19 de junho, segundo os dados publicados pela Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios – APFIPP – é o Montepio Euro Financial Services. No período em análise o fundo atinge uma rendibilidade anualizada de 22,83% e tinha no final de maio mais de 5 milhões de euros em ativos sob gestão. Entre os maiores investimentos encontramos alguns dos grandes grupos financeiros europeus como a HSBC, Banco Santander ou Barclays.

Com o mesmo core de investimento surge o Millennium Euro Financeiras. Os maiores investimentos em carteira estão em linha com o fundo anterior, com destaque, também, para a UBS e BNP Paribas. No global, o fundo apresenta um património de cerca de 29 milhões de euros. Em termos de rendibilidade anualizada, nos últimos três anos o fundo sob gestão da Millennium Gestão de Activos regista 21,98%.

De seguida figuram os restantes dois produtos que são da responsabilidade da Montepio Gestão de Activos: o Montepio Euro Telcos e ainda o Montepio Euro Healthcare.

O primeiro investe no sector das telecomunicações e regista uma rendibilidade anualizada de 19,77%. Com quase 8 milhões de euros em ativos sob gestão, podemos encontrar na sua carteira alguns gigantes do sector, como a Vodafone, a Orange, a Telefonica ou ainda a Deutsche Telekom.

Já o outro produto investe nas cotadas europeias ligadas à saúde. Com quase 18 milhões de euros em património, o fundo regista uma rendibilidade nos últimos três anos de 19,28% e tem como principais posições em carteira as suíças Roche e Novartis e a francesa Sanofi.

Investimento em Portugal também se destaca

Além dos fundos que investem nalguns sectores do Velho Continente, também os produtos que têm como referência Portugal se destacam. No período em análise o grande destaque vai para o BPI Portugal.  Nos últimos três anos o fundo regista uma rendibilidade anualizada de 17,8% e tinha no final de maio praticamente 34 milhões de euros em património. Este fundo está sob responsabilidade de Catarina Quaresma Ferreira e Carla Brito Fonseca, da BPI Gestão de Activos.  Nos últimos Morninstar Awards o produto foi galardoado como “Melhor Fundo de Ações Portugal” e figura, também, da lista dos “fundos mais consistentes em termos de rendibilidade ajustada ao risco do mercado nacional” que a Funds People lhe apresentou na primeira revista deste ano.

Com uma rendibilidade de 17,59% surge o Banif Acções Portugal. O fundo é gerido por Jorge Guimarães da Banif Gestão de Activos  e no final de maio a sua carteira geria quase 6 milhões de euros com a Sonae SGPS, a NOS e o BCP a serem as maiores cotadas presentes na carteira. Já o maior investimento vai para um futuro sobre o principal índice bolsista nacional.

Os 15 fundos de ações mais rentáveis nos últimos três anos

para aumentar

Fonte: APFIPP a 19 de junho
Profissionais
Empresas

Próximos eventos