Tags: Emergentes | Latam |

Fundos de investimento brasileiros voltam aos ganhos


O Panorama publicado pela ANBIMA, que busca identificar e explicar os movimentos dos mercados de capitais, renda fixa e fundos de investimento, indica que a indústria viu o seu desempenho melhorar em julho, sobretudo devido à diminuição da volatilidade nos indicadores principais. Um dos maiores responsáveis pelo aumento foi o índice Ibovespa que inverteu a tendência, pela primeira vez no ano, fechando o mês a valorizar 1,64%, recuperando das perdas desde do início do ano (20,87%) e a doze meses (14,02%).

Os grandes destaques

A categoria que mais valorizou em julho para a ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) foi a de ações livre que valorizou 1,77% no mês.

Desde do início do ano são os fundos Long and Short que detêm os títulos das maiores valorizações, ao subirem mais de 6% (6,48% o directional e 6,08 o neutral). Nos últimos 12 meses, o título mantém-se, no entanto, as valorizações são acima de 10% (no caso, 10,03% no neutral e 11,42% no direcional).

Captações líquidas negativas

Mesmo com o aumento durante o mês da grande maioria dos fundos de investimento no Brasil, o valor da captações líquidas diminuiu, sobretudo devido aos resgates na categoria de renda fixa, curto prazo e FIDC. A crescer estiveram as categorias de Referencia DI, Multimercados e Participações. Para a ANBIMA o “resgate líquido em julho não reflete condições de mercado”, com  a indústria a registar o segundo  maior resgate líquido mensal  do ano com 2,1 mil milhões de reais. Ainda assim, a captação líquida acumulada anual é um recorde com cerca de 100 mil milhões de reais.

Poder público sobe no património líquido

O poder público já representa 10% do património líquido dos fundos de investimento, segundo revela a ANBIMA no seu panorama. Ainda assim, apesar de estar a crescer, ainda está longe do Institucional que representa mais de dois terços (39%) de todo o património. As restantes categorias (Corporate, Private e Retalho) representam cerca de 45%, com cada uma a representar cerca de 15% de todo o património líquido.

Outras notícias relacionadas


Próximos eventos