Fundos de ações na ribalta


2015 tem sido o ano das ações. Depois de um período de tempo em que as obrigações foram dos ativos mais apetecíveis por grande parte dos investidores, dadas as suas elevadas rendibilidades 2015 coloca as ações nas luzes da ribalta. Olhando para o MSCI World, verificamos que este ano este índice já cresceu mais de 2,7%, em euros. Analisando apenas o velho continente, denota-se que o MSCI Europe já cresceu em 2015 mais de 5%, após ter registado uma rendibilidade negativa de 3,42% nos últimos doze meses.

Situação semelhante acontece com os fundos de ações em Portugal. Exceptuando os fundos sectoriais, que naturalmente seguem empresas de sectores determinados, podemos analisar a oferta de fundos de ações em Portugal através de outras categorias que incluem um cariz 'geográfico'. Encontramos os fundos de ações que seguem as cotadas nacionais, os que investem em empresas da América do Norte ou da União Europeia, da Suíça e da Noruega, existindo ainda fundos de ações internacionais. Para esta análise, verificaram-se apenas os fundos com dados disponibilizados na Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP).

Observando o mercado que nos é mais próximo, ou seja, o doméstico, constata-se que o ano de 2015 tem sido bastante benéfico. Os seis fundos de ações nacionais que aparecem na APFIPP apresentam rendibilidades a rondar os 20% desde do início do ano (até 20 de março), fazendo com que a média se situe em 21,88%. Já nos últimos doze meses a rendibilidade média é negativa na ordem dos 7,73%.

No mercado europeu a tendência é igual, embora com rendibilidades médias sempre positivas. Na categoria dos fundos de ações da União Europeia, Suíça e Noruega o ano de 2015 trouxe um retorno médio de 13,33% enquanto que nos últimos doze meses esse mesmo indicador situou-se em 10,50%. Para esta subida, em muito contribuiu a decisão do BCE de lançar o programa de compra de ativos iniciado no presente mês de março.

No gráfico abaixo verifica-se que os fundos de ações nacionais são os melhores produtos do ano, nesta classe de ativos. Logo em seguida identificam-se os restantes fundos cujas rendibilidades estão muito próximas desde do início do ano.

Os fundos de ações em 2015

Para ver em maior carregue aqui

Fonte: APFIPP a 20 de março. Categorias APFIPP analisadas: Ações Nacionais; América do Norte; UE, Suíça e Noruega; Outras Ações Internacionais
Empresas

Outras notícias relacionadas


Próximos eventos