Flexibilidade no início de 2015


“Fundos que não assumem qualquer compromisso quanto à composição do património nos respectivos documentos constitutivos”. Assim são os fundos flexíveis que no dia 20 de fevereiro eram 16 no mercado nacional, segundo a contagem e classificação por parte da Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP).

Desses, existem dois produtos que conseguem ter uma rendibilidade superior a 6% nas sete semanas analisadas de 2015. A liderar a tabela figura o Montepio Mercados Emergentes, seguido do NB Plano Dinâmico da GNB Gestão de Activos. O fundo gerido pela Montepio Gestão de Activos atingiu uma rendibilidade de 6,38% e fechou o mês de janeiro com perto de 1,5 milhões de euros em património. Nessa mesma data a carteira, nas suas posições principais, era composta por dívida pública brasileira, seguida de divida corporativa de cotadas de países tão diferentes como a Índia, Coreia do Sul, China ou Portugal.

Já o produto da GNB Gestão de Activos teve um desempenho de 6,06% em 2015 até dia 20 de fevereiro. O seu património atinge mais de 135 milhões de euros e a sua carteira é composta por outros fundos de investimento e títulos de dívida pública, além  de alguns futuros que incidem sobre os principais índices bolsistas mundiais.

Os cinco fundos seguintes apresentam todos rendibilidades acima de 3%. O último lugar do pódio é, assim, ocupado pelo Banif Ibéria. Este fundo da Banif Gestão de Activos já cresceu em 2015 mais de 3,6% e tinha, no final de janeiro, mais de 12,5 milhões de euros em ativos sob gestão. O fundo incide na Península Ibérica e as posições maioritárias são preenchidas pela Repsol, Inditex e Galp Energia.

O CA Flexível, o Banif Investimento Moderado, o NB Plano Crescimento e ainda o BPI Global fecham o lote dos produtos que conseguem ultrapassar a barreira dos 3%, em 2015, de rendibilidade. O fundo gerido pela CA Gest tem, na sua carteira, maioritariamente títulos de dívida, seja soberana ou corporativa, com destaque para países como Espanha e Itália.

Já o fundo da Banif Gestão de Activos “prefere” ter em carteira outros fundos da casa ou de gestoras internacionais, além de títulos de dívida pública nacional. Esta mesma lógica é seguida pelo fundo da GNB Gestão de Activos e pelo da BPI Gestão de Activos, apesar de ambos terem posições diferentes e títulos de dívida de outros países.

Os fundos flexíveis em 2015

FundoGestoraRendibilidae 2015 (%)
 F.I.M. Montepio Mercados Emergentes  Montepio GA6,38
 F.I.M. NB Plano Dinâmico  GNB GA6,06
 F.I.M. Banif Ibéria  Banif GA3,63
 F.I.M. CA Flexível  CA Gest3,58
 F.I.M. Banif Investimento Moderado  Banif GA 3,57
 F.I.M. NB Plano Crescimento  GNB GA 3,32
 F.I.M. BPI Global  BPI GA3,30
 F.I.M. Banif Investimento Conservador  Banif GA 2,53
 F.I.M. NB Estratégia Ativa  GNB GA 2,10
 F.I.M. NB Plano Prudente  GNB GA 2,09
 F.I.M. BBVA Gestão Flexível  BBVA AM2,05
 F.I.M. NB Estratégia Ativa II  GNB GA 1,83
 F.I.M. Santander Global  Santander AM1,26
 F.I.M. BBVA Multiactivo Flexível  BBVA AM 1,06
 F.I.M. NB Brasil  GNB GA -0,97
 F.I.M. BPI Brasil  BPI GA -1,08
Fonte: APFIPP a 20 de fevereiro
Empresas

Outras notícias relacionadas


Próximos eventos