Flexibilidade e Gestão do Risco: Mote para o CA Alternativo


O novo fundo da CA Gest, segundo explicou à Funds People Luís Carvalho, diretor da Área de Investimentos, “pretende entregar rendibilidades positivas a prazo, que permitam superar a taxa de remuneração dos depósitos a prazo, instrumento âncora do sistema financeiro nacional”. Lançado no dia 9 de junho,  o CA Alternativo destina-se “a complementar a oferta de soluções abertas da CA Gest, disponibilizando um fundo de grau de risco 3 e ajustado ao perfil de risco do cliente do Crédito Agrícola, assim como, às exigentes condições dos mercados financeiros”.

Base alargada de clientes

Desta forma, o fundo “destina-se a investidores que procurem efectuar aplicações financeiras com vista à obtenção de uma valorização do capital investido numa carteira multi-activos, gerida de forma flexível, sujeita a flutuações de valor e a risco de capital, mas com um risco restringido pelo limite explícito e quantificado de um orçamento de risco”. Com um limite mínimo de subscrição de 1.000 euros, “o fundo está acessível a um conjunto alargado de segmentos de clientes ou investidores”.

Influências externas

Com pouco mais de um mês e meio de vida, “a comercialização do CA Alternativo está a evoluir conforme planeado”, relata Luís Carvalho. No entanto, o responsável pela Área de Investimentos realça que “o surgimento da Crise do Grupo Espírito Santo introduziu um elemento de incerteza no sistema financeiro nacional, verificando-se que os aforradores passaram novamente a valorizar a segurança e, por conseguinte, a manifestar preferência pela constituição de depósitos a prazo”.

Ainda assim, apesar desse elemento de incerteza, da gestora não deixam de destacar a adaptabilidade do produto. “A natureza flexível do CA Alternativo permite ao fundo estar investido de forma variável num conjunto alargado de várias classes de activos, competindo à Sociedade Gestora, em função do ciclo dos mercados financeiros, optimizar a composição do seu património para dar cumprimento ao objectivo de retorno absoluto e ao limite de value-at-risk”, lembra.

Limitar perdas

A respeito deste último critério, sublinha-se que “com o objectivo de limitar desvalorizações patrimoniais, a composição da carteira do CA Alternativo é determinada por forma a que o valor de mercado dos instrumentos financeiros que a integram esteja sujeito a uma perda potencial máxima (“value-at-risk”) de 2,80%, calculada com 99% de confiança num horizonte temporal de duas semanas (10 dias úteis)”.

Profissionais
Empresas

Outras notícias relacionadas


Próximos eventos