Factores reunidos para a boa performance do mercado de ações em 2014


A luz verde vai continuar para ações em 2014. No último “Marketexpress” divulgado pelo ING Investment Management, a entidade revela que as condições ideais estão reunidas para que o mercado de ações no próximo ano continue forte.  

Se em 2013 a performance das ações foi conduzida pela valorizações, com os investidores a anteciparem a recuperação dos lucros, em 2014 a entidade vira as atenções precisamente para os ganhos. “Os lucros vão dominar e vão ser a chave condutora dos mercados”, pode ler-se.

Lucros em alta, mas valorizações com potencial

Neste sentido, nas perspetivas para o ano que agora entra em vigor, o ING apresenta quatro factores que no seu entender vão ser “impulsionadores dos lucros”. Em primeiro lugar é referida a ampliação da recuperação económica, com a “zona euro a poder assistir a uma grande mudança, passando de uma fase de recessão para um fase de crescimento”, referem. O segundo ponto, por seu lado, aponta um aumento esperado nas margens de lucro. “A alavancagem operacional é positiva e o trabalho ainda tem de negociar poder”, pode ler-se.

O terceiro factor referido prende-se com “os baixos encargos das taxas de juro devido à combinação da baixa alavancagem financeira e das baixas taxas”. Não esquecido, foi também o share buy-backs, que para a entidade holandesa “vai contribuir para aumentar os earnigs per share”. Referem também que “as ações mais caras vão ser substituídas por dívida barata, enquanto o retorno das ações aumenta”.

Apesar deste crescimento esperado nos lucros, o ING não deixa de acreditar no potencial das valorizações em 2014. “As valorização não têm necessariamente que descer”, dizem, explicando que “elas podem mesmo expandir-se ligeiramente , pelo menos fora dos EUA”. 

Emergentes: “a pedra no sapato” em 2014

No Outlook da entidade, o  ponto fraco para o próximo ano são os mercados emergentes. “Desde que se iniciou a especulação em relação ao tapering começaram algumas dinâmicas adversas para os mercados emergentes”, explicam, referindo mesmo que grande risco se concentrará nestes países.

A instabilidade da moeda, dizem, pode ter impactos nas perspetivas de ganhos das empresas de mercados desenvolvidos, que geram grande parte das suas receitas nos mercados emergentes.

Anexos

Empresas

Outras notícias relacionadas


Anterior 1
Anterior 1

O Mais Lido

Próximos eventos