Bolsa europeia: o destino privilegiados dos investidores em Outubro


A tendência que se tem verificado desde o início do ano parece nestes últimos meses de 2013 confirmar-se e não só na maior exposição a ativos de risco seja através do investimento em ações seja no segmento high yield do mercado de obrigações. Em termos de geografias poderá existir uma maior dispersão uma vez que a opção de fundos globais esteve praticamente sempre presente, assim como EUA e, mais pontualmente, Asia. Sem surpresas, a Europa foi a grande moda evidenciando a melhoria nos dados económicos e, acima de tudo, o aproveitar das valorizações atractivas das empresas europeias cotadas nas várias bolsas de valores.

Assim, no mês de Outubro, os fundos estrangeiros mais subscritos foram sobretudo de ações com uma representatividade entre as três plataformas superior aos 50%. No ActivoBank, Guilherme Cardoso sublinhou que “as subscrições (no período) foram dominadas pelas carteiras modelo com 6 fundos nos 10 mais subscritos”. O líder nesta entidade foi o Schroders Euro Equity, seguindo-se o UBS SF Growth e o Credit Suisse EF Small Mid Cap Germany. O especialista do ActivoBank apontou, ainda, o fundo da Fidelity, European High Yield, em quarto lugar, como mais um reforço da tendência europeia que se fez sentir entre as opções dos investidores.

No Banco Best, o domínio coube aos fundos de ações como refere Rui Castro Pachecono top dos fundos (com mais entradas no mês de Outubro) é de notar a hegemonia dos fundos que investem em ações, com 7 presenças”. O subdirector de investimentos da instituição deu relevo ao facto do fundo que registou mais captações – o Alken Fund European Opportunities – estar em soft closed fruto do fluxo elevado de entradas que tem vindo a registar dada a sua boa performance. Acrescentou ainda que a estratégia de investimento em empresas de pequena capitalização desenvolvida pela Alken, boutique especialista em ações europeias, está fechada a subscrições precisamente pelas mesmas razões e “de forma a proteger a performance do fundo e os atuais investidores”. Nesse sentido, os investidores do Best viram no Franklin European Small-Mid Cap Growth uma alternativa. Conforme se pode observar nos nomes dos fundos que ocupam as posições pioneiras neste ranking, a Europa volta a ser o destino escolhido.

No Banco BiG o cenário não se altera e, segundo Isabel Soareso mês de Outubro fica marcado por um aumento significativo na procura de fundos com exposição ao mercado accionista. A exposição a estratégias globais ou com enfoque nos Estados Unidos parece ter perdido alguma atractividade com os investidores a privilegiarem a alocação a outras áreas geográficas como Europa ou Ásia”. A especialista de produto do BiG realça ainda o segmento das small caps, nomeadamente no fundo Threadneedle European Smaller Companies, que também esteve em destaque “já que os investidores reconhecem alguma atractividade no conjunto de métricas fundamentais do segmento”.

Nota ainda para os fundos sectoriais, o Franklin Biotechnology e o Credit Suisse Equity Fund (Lux) Global Prestige que estão, nos últimos meses, entre as escolhas dos investidores no Banco Best. Familiar do primeiro e gerido, igualmente, pela Franklin Templeton, no ActivoBank, a preferência foi para o Franklin Technology.

Salientando, por último, outros nomes já tradicionais neste top ten, temos os fundos flexíveis e de risco balanceado como o Invesco Balanced Risk Allocation ou o Fidelity Funds Euro Balanced ou ainda o Nordea –1 Stable Return Fund. À Funds People, Rui Castro Pacheco disse que este fundo da gestora do Norte da Europa “privilegia a estabilidade e protecção do capital investido, distribuindo os seus ativos entre ações e obrigações”.

Além destes, também o segmento mais arriscado dentro do mercado obrigacionista, o denominado high yield, permanece entre os dez fundos mais subscritos com os reconhecidos Fidelity European High Yield, Axa World Funds Global High Yield Bonds e o Allianz US High Yield. Referência ainda para os fundos que distribuem rendimentos que não são esquecidos pelos investidores, como o anterior da Allianz ou o JP Morgan Income Opportunity Fund ou ainda o Schroders ISF European Dividend Maximiser.

 

TOP TEN DOS FUNDOS ESTRANGEIROS MAIS SUBCRITOS EM OUTUBRO

 

ActivoBank

Banco BEST

Banco BiG

1

Schroder ISF Euro Equity B

Alken Fund European Opportunities A

Threadneedle IF European Smaller Comp. F

2

UBS (Lux) SF Growth (Eur) N Acc

AXA World Funds Global High Yield Bonds E Cap Eur Hdg

Invesco Pan European Structured Equity

3

Credit Suisse EF (Lux) Small Mid Cap Germany B

Franklin European Small-Mid Cap Growth N Acc Eur

Fidelity Funds China Focus Fund Dist.

4

Fidelity Funds European High Yield

Schroder ISF European Dividend Maximiser B Dis

Templeton Global Bond Fund

5

Franklin Technology N

Franklin Biotechnology Discovery N Acc USD

Invesco Balanced Risk Allocation

6

Fidelity Funds Euro Balanced A

Credit Suisse Equity Fund (Lux) Global Prestige B

BNY Mellon Emerging Markets Debt Local Currency

7

BlackRock Global Funds Japan Value (Eur Hdg) E2

Nordea-1 Stable Return Fund E Eur

Fidelity Funds Global Strategic Bond

8

MSS Euro Corporate Bond B

Allianz US High Yield AM (H2-Eur)

Fidelity Funds Asian Smaller Companies

9

UBS (Lux) SF Equity (Eur) N Acc

Alken Small Cap Europe R

JP Morgan Income Opportunity Fund

10

BNY Mellon Long-Term Global Equity A

Vontobel Fund US Value Equity C

JP Morgan Europe Equity Plus Fund

 

Empresas

Outras notícias relacionadas


Anterior 1
Anterior 1

Próximos eventos