Alocação de ativos defensiva no terceiro trimestre


O primeiro semestre trouxe valorizações às carteiras recomendadas da Invest Gestão de Activos. Segundo o último Outlook publicado pelo Banco Invest, para o terceiro trimestre e que faz o balanço do primeiro semestre, a carteira do Invest Conservador conseguiu subir 3,6% enquanto o Invest Dinâmico cresceu 5,7%. Analisando os últimos doze meses “as valorizações acumuladas ascendem a 9% e 18,1%, mais 60 e 170 pontos base do que os respetivos benchmarks”, segundo a publicação da entidade.

Para este crescimento nos primeiro seis meses do ano contribuíram, “em larga medida, a exposição aos mercados acionistas periféricos e às obrigações europeias de High Yield, incluindo a dívida pública nacional. Destaque ainda para o investimento oportunístico no mercado acionista turco”.

A defesa é o melhor ataque!

De acordo com o Outlool publicado, “a alocação de activos mantém-se particularmente defensiva, com uma elevada percentagem em liquidez e aplicações sem risco“. Comparando entre Europa e Estados Unidos da América os especialistas da Invest Gestão de Activos afirmam que “os mercados europeus permanecem mais interessantes, ainda que o diferencial face ao congénere norte-americano se tenha reduzido no último trimestre”.

No entanto, existe também uma ligeira preocupação na equipa de Gestão de Activos do Banco Invest sobre as yields das obrigações. “Preocupa-nos presentemente as (muito baixas) yields das obrigações de dívida pública core, as quais têm sustentado os prémios de risco das ações”.  Já a “normalização monetária poderá acontecer mais cedo do que o descontado actualmente, penalizando a dívida pública e, finalmente, as acções. Ou seja, as acções não estão “caras”, mas certamente vulneráveis, considerando a expectável subida das yields da dívida pública, sobretudo nos Estados-Unidos, num cenário de descida da taxa de desemprego e aumento das pressões inflacionistas”, afirmam.

Sectores no radar de observação

Entre os diversos sectores que existem no mercado, o Banco Invest vai manter o “overweight no sector financeiro, a nível global”. Além deste, também o sector tecnológico nos EUA e o Energético tanto nos EUA como na Europa continuam a ser interessantes, tal como o sector automóvel “cuja avaliação permanece interessante em termos relativos e com potencial de valorização, refletindo a recuperação do consumo privado.”

Emergentes com aumento de peso

“Durante o primeiro semestre, foi aumentada a exposição aos mercados acionistas emergentes, a qual até à data era residual. Na base desta decisão estiveram mais uma vez as avaliações”, conforme se lê no relatório publicado pelo Banco Invest. Os especialistas destacam o PER do MSCI Emerging que “transaciona a 11,6x e 10,4x os resultados esperados para 2014 e 2015”.

Sobre high yield, o Banco Invest mantem “a exposição a high yield europeu. Os spreads estão a níveis historicamente baixos, mas em linha com a valorização das acções, considerando a relação histórica entre estas duas classes de activas. Ou seja, os spreads estão baixos, mas não estão “caros” face às acções, que registam igualmente valorizações significativas nos últimos meses”, concluem.

Profissionais
Empresas

Outras notícias relacionadas


O Mais Lido

Próximos eventos