Tags: Obrigações | Ações | Europa | EUA |

A ironia norte-americana face à Alemanha


Na semana passada, o país com o maior défice do mundo em conta corrente (Estados Unidos da América) criticou o país que apresenta o maior superavit em conta corrente do mundo (Alemanha) por ser desequilibrado, afirmam Joshua McCallum e Gianluca Moretti, especialistas de Fixed Income da UBS Global Asset Management através da publicação da gestora “Economist Insigths”.

Os dois especialistas apontam a ironia para descrever este “ataque” dos EUA à Alemanha. Depois da crise dos países deficitários na periferia da Europa ter reequilibrado, e com o núcleo (liderado pela Alemanha) a aumentar o seu superavit, tornam a zona euro num problema de desequilíbrios globais. A crítica cai em ouvidos surdos: a Alemanha e a obsessão dos outros exportadores com superávits em conta corrente é tão desconcertante quanto a despreocupação passada dos EUA sobre o déficit em conta corrente.

A critica norte-americana

Na semana passada o Tesouro dos EUA criticou a Alemanha pela sua persistência num grande superávit em conta corrente e os problemas que isso representa tanto para o reequilíbrio da Eurozona como para a inflação global. As autoridades alemãs ficaram surpreendidas ao ouvir as críticas sobre os desequilíbrios externos de um país que estava executando o déficit em mais de 5% da sua conta corrente no período que antecedeu a crise financeira

Mas pelo menos os EUA reconhecem que têm um problema e gostariam de exportar mais. O Ministério das Finanças alemão insistiu que "não há desequilíbrios na Alemanha que necessitam de correção". Os especialistas realçam uma afirmação curiosa: de acordo com as regras da Zona Euro para os desequilíbrios macroeconómicos, com a Alemanha a ser fundamental no desenvolvimento, não é permitido que os países tenham um saldo médio em conta corrente inferior a 4% ou mais de 6 % nos últimos três anos. A Alemanha está atualmente nos 6,6%. Curiosamente, se os EUA estivessem na Zona Euro não iriam violar estes dados, já que apresentam um défice em conta corrente de 2,8% do PIB.

A crise financeira e a subsequente crise fiscal da zona euro forçou a periferia a encolher dolorosamente seus déficits em conta corrente. Mas não houve tal ajuste no núcleo: aproveitando um euro mais fraco e menores taxas de juros, esses países mantiveram seus superávits em conta corrente, apesar de haver uma procura global mais fraca. Assim, a Zona Euro ainda tem um desequilíbrio interno (embora menor), mas agora tem um desequilíbrio externo também.

Os desequilíbrios globais foram sem dúvida responsáveis ​​por grande parte da crise financeira. No entanto, alguns países demonstraram ser mais resistentes à correção do que outros. A obsessão da Alemanha e de outros exportadores com superávits em conta corrente é tão desconcertante quanto a despreocupação passada dos EUA sobre o déficit em conta corrente.

Empresas

Outras notícias relacionadas


Anterior 1
Anterior 1

O Mais Lido

Próximos eventos