Tags: Obrigações | Ações |

A funcionalidade das previsões económicas


“A única função das previsões económicas é fazer com que a astrologia pareça respeitável” ou a “única função das previsões das taxas de juro é fazer com que as previsões económicas pareçam respeitáveis”, são as duas máximas com as quais Joshuan McCallum e Gianluca Moretti, economistas da UBS Global Asset Management, começam o seu habitual “Economist Insights”. Na realidade, dizem, mesmo que algumas previsões económicas tenham falhado, as que se têm vindo a elaborar relativamente às taxas de juro “têm sido as piores”.  

Escrevem que “todos os anos desde 2011, o consenso das previsões dos estrategas para os EUA tem-se mostrado errado” (gráfico abaixo), referem, lembrando que “em cada ano que os especialistas esperavam que as taxas aumentassem, apenas acertaram uma vez, em 2013”.

Para este ano a previsão já está a ser algo desafiante, “porque as yields estão a cair abaixo dos 2%, em vez de subirem”. Os culpados parecem ser fáceis de identificar: “desapontamentos na política monetária, crescimento e inflação”, reiteram.

Relativamente à inflação, indicam que nos primeiros meses de 2013 o índice de preços foi em média de 1.7%, e nos primeiros meses de 2012 de 2.8%. “Atualmente por causa da queda dos preços do petróleo, o mercado está a prever um CPI de 0,7%. Será então a inflação uma parte da história?”. Avisam que a queda a que se assiste na inflação tem de facto muito a ver com a queda dos preços do petróleo.

Outra das explicações que são apresentadas, é que o pessimismo dos investidores não é apenas relativo aos EUA ou à Europa em particular, “mas sim em relação ao crescimento em geral”. Resumem que existem evidências de que “a debilidade dos preços do petróleo é um sinal de que a procura global está a abrandar”.

Ou seja, para os dois especialistas, “os preços do petróleo estão baixos porque existe um ‘shock’ negativo na procura – e esse ‘shock’ deverá encorajar as pessoas a comprar obrigações governamentais seguras”, indicam. “Se olharmos para os dados globais do petróleo nos últimos 44 anos, podemos identificar shocks na procura bastante evidentes”, concluem (ver gáfico abaixo).

Empresas

Outras notícias relacionadas


Próximos eventos